Esse episódio conta com a presença de um convidado, André Turton, fundador da Ekaut Cervejaria.

André conta para Murilo sobre como foi sair de uma grande rede que trabalhava, a Ambev, para abrir a sua própria empresa de cerveja artenesal, a Ekäut.

 

Nesse episódio, foram capturados 2 insights:

  • “O cabra só aguenta o hardwork se estiver conectado com que ele está afim”
  • “Tem muita gente com ideia boa, mas tirar a ideia do papel pra execução é difícil pra caramba.”

Oi! Vamos começar a semana com um bom bate-papo?

Nesse episódio, temos a participação da Daniela, e seu quase DaniCast, onde Murilo discorre sobre uma frase que veio de brincadeira, mas que foi possível aprodundar para gerar alguns insights;

Se fosse fácil, todo mundo seria Sabrina Sato.

Aperta o play aí, e tenha uma excelente semana 😉

 

Nesse episódio, foram capturados 2 insights:

“Não pode ser fácil, se não todo mundo faria.”
“O harwork tem que ter direção.”

Chegou mais um Guncast Sexta-Feirano ;))

Até sexta passada, foi disponibilizado em forma de podcast, todos os Talks do Harwork Papai II, caso você tenha perdido algum, clique aqui para deixar na fila!

E o conteúdo dessa sexta é a palestra que o Murilo deu no TEDx Fortaleza, Escolas Matam a Aprendizagem. Prepara sua mente para uma boa enxurrada de insights, e aperta o play!

 

Ah, e se você for mais visual, aqui está o TEDx no Youtube:

Consciência coletiva é o assunto que Murilo e seu pai, Seu Vital, discutiram durante o 178º episódio.

Dentro de poucos anos, tivemos drásticas mudanças no que era considerado normal para a sociedade que passou a ser estranho, absurdo e em alguns casos, proibido.

Aperta o play e acompanha esse papo 😉

 

Nesse episódio, foram capturados 3 insights:

  • “É engraçado como as coisas vão saindo do totalmente inaceitável para o totalmente aceitável, e vice-versa.”
  • “O normal vira estranho e o estranho vira normal. E nessa busca do novo normal, sempre tem as pessoas que vão liderar, que serão as pioneiras a propor o novo normal.”
  • “O consciente coletivo é a média da consciência individual dos seres que integram aquele contexto.”

E aí, como foi o seu fim de semana? :)

Nessa segunda, o episódio é sobre a estadia do Murilo e Dani no hotel Palácio Tangará, em São Paulo. Basedos em suas experiências, eles relatam sob a perspectiva da empatia pelo cliente.

 

Nesse episódio, foram capturados 4 insights:

  • “Grande parte da experiência é criada pelas pessoas que estão atendendo, as pessoas é que fazem a diferença.”
  • “Ter empatia é entender qual é o momento que as pessoas estão vivendo e se adequar à aquele momento.”
  • “É difícil ser perfeito quando se lida com pessoas.”
  • “Tudo que envolve pessoas requer monitoramento constante, treinamento constante, clareza constante, empatia constante.”

Esse é o último episódio do ciclo de bate-papos do Hardwork Papai II!

A partir da próxima sexta, você vai escutar o áudio de algum conteúdo interessante do canal do Murilo.

Igualmente aos Guncasts Sexta-Feiranos (gostou?), essa conversa com o Dado Schneider – que dava aula de criatividade na década de 90, e criador da marca Claro –  está recheada de insights.

 

Ah, e se você for mais visual, aqui está a entrevista no Youtube:

E aí 😉

O assunto desse episódio é sobre a maior empresa do Brasil, que tem no total, 300 mil funcionários.

Tem um palpite de qual empresa é essa? É bem provável que você vai se surpreender! Dá o play aí e vamos nessa!

Para ver os vídeos de depoimentos dos alunos, citado no episódio, clique aqui.

 

5 insights foram capturados:

  • “Todos nós somos preconceituosos, e não estou falando sobre o preconceito racial ou sexual, estou falando que todos nós temos conceitos preestabelecidos, preconceitos.”
  • “Progresso é melhor que perfeição.”
  • “A variedade do repertório faz muita diferença.”
  • “As crianças não precisam estudar criatividade, quem precisa são os adultos, para que eles não atrapalhem as crianças.”
  • “Todo mundo tem o direito de cobrar, mas também o dever de colaborar.”

E aí, como foi o seu fds?! :)

Nesse episódio, o Murilo faz a engenharia reversa de como nascem as boas ideias. Foi um resumo da palestra de mesmo nome, apresentada em um evento na Locaweb.

Foram citados exemplos do curso Reaprendizagem Criativa, que está com as vagas abertas hoje para quem quiser participar da turma 7 do curso. Clique aqui para fazer sua inscrição!

 

Esses são os pilares encontrados na desconstrução de uma boa ideia:

  1. As boas ideias nascem da intenção de fazer diferente.
  2. As boas ideias nascem da combinação de inputs de diferentes universos.
  3. As boas ideias nascem da incubação – que é um processo inconsciente – de ideias.
  4. As boas ideias nascem da empatia obsessiva pelo seu cliente e seu momento.
  5. As boas ideias nascem do uso inteligente das suas habilidades únicas.
  6. As boas ideias nascem da pressão para que se tenha uma solução criativa.
  7. As boas ideias nascem da mistura de pessoas fodas, diferentes mas alinhadas.
  8. As boas ideias nascem da coragem de correr o risco de fugir do padrão.
  9. As boas ideias nascem de muito hardwork, papai.

O episódio de hoje é sobre o encontro que Murilo teve com Peter Diamandis,

Peter é autor do livro Abundância: O futuro é melhor do que você imagina, fundador da X Prize Foundation e outros títulos que você descobrirá durante o episódio.

Se você gosta do assunto futuro tecnológico, aperta o play com gosto nesse episódio e depois, assista a série citada pelo Murilo, das Habilidades do Futuro aqui: http://gun.com.br/habilidades

 

Três insights foram capturados:

  • “Eu me importo com três coisas sobre as crianças: Curiosidade, paixão e garra.”
  • “Dentro de 17 anos, nós vamos ter democratizado, a interface cérebro-software, ou seja, cérebro-nuvem.”
  • “Ou eu crio minha disrupção, ou alguém vai criar.”