E aí! :)

Essa é a terceira parte do REVOAL, a revisão em voz alta do livro Voltemos à Escola.

O livro conta sobre como a Escola da Ponte, em Portugal, se tornou referência com seu método diferenciado e radical de ensino.

Nessa terceira parte, a história do livro se desdobra no modus operandi da escola, quais são os direitos e deveres dos alunos, a democracia e até mesmo a visão do autor que foi se expandindo ao longo de seu tempo imerso na Escola da Ponte.

Foram capturados 10 insights durante esse episódio:

  • “É preciso desconstruir grande parte do que a gente aprendeu e se praticou.”
  • “Escolas organizadas como linhas de montagem com intuito de produzirem unidades – que são alunos – formatadas de acordo com o mesmo molde. Tanto que quando você termina, você se forma. Você entra em uma forma.”
  • “Educar é conduzir.”
  • “Somos todos geniais. Mas se julgarmos um peixe pela sua capacidade de trepar em uma árvore, ele vai passar a vida inteira achando que é estúpido.”
  • “O mundo precisa agora de pessoas que pensem de forma criativa, inovadora, independente e com senso crítico.”
  • “Encarar a arte e a dança com a mesma importância da matemática.”
  • “Primeiro estranha-se, depois entranha-se.”
  • “A gente é influenciado pela geração anterior e se a gente não questiona, a gente repete. Só que repetir não faz sentido se o mundo mudou, simples assim.”
  • “Todo sonho enquanto é sonho, é utopia. Mas quando vira realidade, deixa de ser utopia.”
  • “Ser professor, antes de ser profissão deveria ser uma vocação.”

  • Hebertty Dantas

    Opa! surpreso em ser o primeiro a escrever aqui, pois penso que devem ter muitos professores que, como eu, pensam num escola diferente. Aproveito para parabenizar o Murilo pela contribuição à educação e por expandir esta forma crescente de escolas no Brasil e no mundo, pois trata-se de uma transição “imparável”.

    Escuto, assisto e leio quase tudo do Murilo e se ele ler este comentário queria saber mais como posso participar da seleção de professores para obter desconto no seus cursos, daquela cota que ele fala.

    Trabalho nas redes pública e privada e existem várias escolas com metodologias inspiradas na da Ponte, mas não encontro quase nada sobre escolas inovadoras de ensino médio, talvez 5% do pouco de escolas inovadoras. Quero fazer a primeiro na Paraíba….rsrssr

    Alguns links legais:
    http://criatividade.mec.gov.br/
    http://porvir.org/especiais/personalizacao/
    http://porvir.org/especiais/maonamassa/
    https://economia.elpais.com/economia/2017/02/17/actualidad/1487331225_284546.html
    http://info.geekie.com.br/educacao-do-seculo-21/

    • http://www.projetopotencia.org/ Varlei Xavier Nogueira

      Ótimos links, colega! Conheço alguns deles. Vou olhar os outros com calma.
      Forte Abraço!

    • vini

      verdade, eu tbm nao encontro nada sobre as escolas no ensino medio.

  • http://www.projetopotencia.org/ Varlei Xavier Nogueira

    Fala, Papai! Colocando os comentários em ordem aqui. Correria de temporada é fogo, mas sigo firme e forte no meu propósito de comentar em 19 episódios seguidos.

    Lendo o comentário do episódio anterior, eu percebo que eu me empolguei demais em falar do trabalho do meu grupo e acabei não fazendo as relações de forma mais clara. Por isso, hoje vou me ater ao seguinte:

    “Encarar a arte e a dança com a mesma importância da matemática.”

    Como disse numa live e você até citou no Cri Cri Cri, muitas vezes, meus alunos sofrem preconceitos dos próprios professores por fazerem teatro estudantil. Muitas vezes, os professores criticam os alunos por que se interessam pelo teatro de uma forma mais intensa do que pela “matéria e pelos estudos”. Eu já perdi a conta de quantas vezes eu ouvi de colegas professores: “Ele tem é que estudar e não ficar fazendo teatrinho. Já disse isso para você, eu sei. Mas aqui eu vou tentar aprofundar mais o assunto.

    O grupo permanece em temporada por um mês. Estamos, por exemplo, indo para o último final de semana agora, no dia 08, com apresentações aos sábados e domingos. Durante este período, eles assistem outros espetáculos e discutem sobre a obra que assistiram, precisam estar no horário, gerir o tempo e entender como funciona o espetáculo diante do público (tudo isso eu já disse anteriormente). O quanto de aprendizado existe nisso? Pois é. E mesmo ficando em cartaz durante um mês, a maior parte dos professores da escola não vai. Ok! Escolheram, e escolher é perder.

    Mas infelizmente eles perdem uma possibilidade de estabelecer um vínculo com o aluno, de explorar suas potencialidades, de entender como eles chegaram naquele resultado e não conseguem chegar na sala de aula. Isso seria bom para eles mesmos, não exatamente para mim. Mas tudo bem, aceito a escolha deles. Sigo lutando cada dia para que meu trabalho tenha significado para os alunos.

    “Encarar a arte e a dança com a mesma importância da matemática”, creio eu, será uma mudança inevitável numa sociedade em transformação. Mas da forma que eu vejo, ainda vai levar algum tempo. Torço apenas para que as mudanças e transformações sejam tão rápidas e exponenciais, que me façam, num futuro próximo, eu perceber que estou errado.

    Beijo na testa

  • vini

    Gun, tudo bem, primeira vez que eu comento por aqui. Esse final de semana estive com o Goffi e ele e outros me falaram de vc. Trabalho com essa forma criativa e quero inscrever minha escola nessa lista de escolas que vc solicitou. Como posso gerar valor pra vc?

  • http://www.caffedesign.com.br Geandro Valcorte

    Gun, cara muito top essa escola, meu pai trabalha numa escola (não da para dizer parecida) industrial para jovens de 14 a 19 anos, é a única do brasil a ter este sistema para o ensino fundamental. Escola municipal de aprendizagem industrial – EMAI. Esta escola é uma inspiração, a galera sai pronta pro mercado industrial, na cidade existe várias empresas parceiras (Schuster de aparelhos odontológicos, SR vagões…) que 90% dos funcionários estudaram na Emai. Lá ensinam desde desenho industrial, mecânica, eletricidade a serigrafia.
    O legal é que além de free, você inscreve seu filho e ele passa por todos os setores, fica 2 meses em cada curso, para que no final do ano ele escolha qual curtiu mais, e se quiser fazer mais de um também pode..

    Segue um link pra quem quer saber mais
    https://www.youtube.com/watch?v=VculwX8NCj0

GunCast © 2015